Campanha contra o abandono



Existem mil campanhas que eu poderia fazer partido sobre (desde "Não à pochete", passando por "Bota branca só a Xuxa pode", ou algo meio sério como "Não aos Casacos de Pele", "CPI das sanguessugas é o meu ovo esquerdo, e olha que nem ovo eu tenho"), mas agora, na meia-noite do domingo, a que me parece melhor é essa: Não abandone.


Não diga coisas que você sabe que não são verdadeiras e então deixe aquilo para lá, não esqueça e durma ao invés de ir batalhar, não adie o que você poderia estar fazendo agora se tivesse coragem, não desista antes de tentar. Não abandone nada por medo do que virá a seguir; não jogue a toalha até saber que o fim está realmente ali. Porque ir embora é fácil, assim como desistir: difícil é lembrar que, para cada abandono, sempre há alguém que permanece. E é nesse permanecer que está cada gota de sonhos que não foram, de esperanças que morreram, de tentativas que falharam.


É como diz Luís Fernando Veríssimo: "embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu".

0 comentários:

Postar um comentário


25 anos. Mora no Rio de Janeiro, é carioca de alma, mas cearense de coração. É designer e está tentando se encontrar nesse mundo. Sou casada com meu melhor amigo, o Marcelo Bernardo, e mãe da Dindi the Boston.

Gosto de ler, de dormir de rede, de inspirações repentinas e de petit gateau. Mas o mundo seria muito melhor sem aliche gente que fura fila. Ah, e de vez em quando eu desenho.

Autora


Welcome

Tecnologia do Blogger.

Procura algo?

Arquivo do blog






Esse blog está vestido com as roupas e as armas de Jorge, porque ninguém há de copiar esses textos e ilustrações sem dar o devido crédito.