Para Monique

Esse é um post único e bem pessoal, e tenho tanta coisa para dizer que não sei nem por onde começar. Como é que pode, nós só moramos juntas um do lado da outra por um ano - que diferença faz você morar em outro estado ou em outro país? Bom, tudo bem, a chance de tu me ligar para dizer que amanhã está pensando em vir fica bem menor. E a possibilidade de tu passar um mês morando no meu quarto e me ajudando a construir o caos de anotações, cadernos e lápis... fica ainda menor. Mas acho que isso é o mais importante de ser nós duas: essa distância nunca foi problema. Aliás, deixa a saudade ainda maior, e deixa os reencontros cheios de planejamentos ainda mais incríveis. Só que tem horas que eu paro e penso... Por que é que tu não vivia aqui em casa naquele ano? Por que é que a gente não saiu, ou preferiu ficar em casa, ou trocou o cinema por comida chinesa mais vezes? Por que é que eu não tenho uma foto nossa para ilustrar esse post? Vai ver tinha que ser assim, vai ver a gente vai tirar uma grande lição disso tudo. Se você for morar no Canadá para sempre... Lembre que meu quarto vai ficar, com o passar dos anos, vazio da irmã que nunca tive. E lembre também que nós vamos continuar se amando, e fazendo de tudo para realizar cada um de nossos sonhos... E que não vamos deixar jamais a nossa amizade perdida assim... numa gaveta, junto com um certo livro! Feliz aniversário, Monique. Você tem o meu amor!

0 comentários:

Postar um comentário


25 anos. Mora no Rio de Janeiro, é carioca de alma, mas cearense de coração. É designer e está tentando se encontrar nesse mundo. Sou casada com meu melhor amigo, o Marcelo Bernardo, e mãe da Dindi the Boston.

Gosto de ler, de dormir de rede, de inspirações repentinas e de petit gateau. Mas o mundo seria muito melhor sem aliche gente que fura fila. Ah, e de vez em quando eu desenho.

Autora


Welcome

Tecnologia do Blogger.

Procura algo?

Arquivo do blog






Esse blog está vestido com as roupas e as armas de Jorge, porque ninguém há de copiar esses textos e ilustrações sem dar o devido crédito.