Always by my side

Eu nunca estou sozinha. Em todos os momentos da minha vida, olho em volta e vejo vocês. Já que eu nem sequer consigo lembrar o nosso primeiro encontro. Parece que vocês sempre estiveram ali. Faz tanto tempo que nos conhecemos e estamos juntos; alguns de vocês já faz tanto, tanto tempo que a minha memória sequer consegue alcançar.

Por mais que, em alguns momentos, nossa relação passe por turbulências (que relações não passam?), que aconteçam crises de ciúme (às vezes sem justificativa, às vezes com uma justificativa muito mais do que plausível), que nós passamos dias, até semanas e às vezes meses sem nos falar... Eu sei que vocês continuam ali. E eu sempre vou continuar aqui, para vocês, sempre que vocês precisarem. Porque, olha, não tem nada nesse mundo que eu aprecie mais que a sua companhia. Adoro ficar com vocês, nos divertindo. Adoro quando vou com vocês pras festas (tudo bem, já faz tempo que isso não acontece), adoro nossas viagens, mas adoro mesmo quando estamos conversando. Adoro ouvi-los, adoro quando me contam tudo que tem passado, o que estão sentindo. Aliás, nossa relação é tão intensa que juro que nem sempre precisam falar: só de olhar eu sei, eu sei que vocês não estão bem, eu sei que estão apaixonados. Eu sei o que vocês sentem, assim como eu sei que vocês sabem como eu estou também. Cada sentimento meu acaba sendo refletido nas suas ações. E os sentimentos de vocês me influenciam também.

Gosto de cada um, e é muito. Não posso dizer que é da mesma forma, porque todo mundo sabe que não é assim, sempre existem os favoritos. Mas cada um ocupa um papel na minha vida que não pode ser substituído, que por mais que nós não tenhamos sido assim, muito próximos desde que nos conhecemos, eu sei que ninguém seria melhor para determinada coisa que algum de vocês. E acho que vocês devem gostar de mim também. Confesso que nem sempre... Nem sempre sou boa, às vezes tomo decisões que vocês gostariam (amargamente) que eu não tivesse tomado. Mas assim que a vida é, e é assim que as pessoas são. Todos nós erramos... E vocês também erram.

Nossa amizade sempre teve altos e baixos, mas ela é tão forte que é capaz de superar qualquer coisa. O amor que sinto por vocês supera tudo. Afinal, eu os criei. Vocês são parte de mim... E eu sou uma parte integral de vocês. Vocês têm o meu amor.

Aos meus 14 personagens amados, toda a minha devoção.

Gabriela



----------------------------------
Algumas observações:
  • Estou entrando na fase do meu ano que é o TOLOKSURTEISOCORRO, chamado final de semestre. Terei que fazer uma coleção conceitual em uma semana, e depois transformá-la em comercial E produzir três looks para um desfile. Creio que irei postar comentando um pouco esse processo criativo, que é uma loucura, mas só depois... :) Bom, o que eu queria dizer com isso era: estarei ligeiramente ausente durante esse período.
  • Eu tentei fazer uma ilustração em que todos os meus queridos 14 estivessem juntos, porque em milhares de anos de existência, esse desenho nunca foi feito. Mas ele estava dando muito trabalho, e eu não consigo sentar e perder horas no photoshop sabendo que eu deveria estar fazendo uma coleção. Então fiz esse mosaico com os desenhos mais marcantes que fiz durante 2007 e 2008, anos em que eu não fazia nada além de desenhá-los compulsivamente.
  • Até breve!

Os 5 Melhores Filmes de Dança

Na Minha Opinião

Primeiro, vamos dizer a diferença clássica entre um filme de dança e um musical: no primeiro, as pessoas não cantam. Não há aquela cena em que uma pessoa olha pra outra e externa os seus sentimento com canções, e sim com a mais pura dança, reflexo da alma, essas coisas. Os filmes de dança estão no meu gênero de filmes favoritos (junto com musicais e filmes aqui em Fortaleza chamados de "Interesse Especial", que são comédias esquisitas com a Zooey Deschanel, o Michael Cera, enfim... Não sei qual o critério, mas o fato é que "Interesse Especial" é um gênero de filme aqui).

E, continuando sobre os filmes de dança: ele tem básicamente duas regras. A primeira é que tem que haver uma competição em algum momento do filme, senão ele perde o propósito. A segunda é que, invariavelmente, todos acabam dançando juntos no final. Os nomes traduzidos para o português sempre tem a palavra "dançar" (tirando no Balanço do Amor). A história sempre é mais ou menos a mesma: tem a competição, o homem ou a mulher é um dançarino profissional, encontram o seu par que não é um dançarino profissional, há um momento onde eles se separam, e no fim eles dançam e fica tudo certo.

Vamos a pequena lista:

5. No Balanço do Amor

No Balanço do Amor foi o primeiro filme de dança a incorporar o hip-hop, o que foi muito legal na época (hoje em dia, todo filme de dança tem hip-hop, praticamente). Nele, a bailarina clássica Julia Stiles se apaixona pelo cara-negro-super-legal, eles vivem um lindo romance, regado a música e, por envolver hip-hop e ser razoavelmente recente, também envolve problemas com drogas e tráfico. O cara tem que decidir entre ser um bandido ou um médico, e a dança sempre ajuda, claro.

4. Vem Dançar Comigo


Vem Dançar Comigo é um dos CLÁSSICOS dos filmes de dança. Ele foi dirigido pelo Baz Luhrmann, que também dirigiu Moulin Rouge (que é meu musical favorito). Ele tem doses de humor especial, aquela boa e velha história: o garoto é dançarino profissional de dança de salão, encontra o seu par, que é uma mulher feia chamada Francis, e juntos eles descobrem o verdadeiro sentido da dança.

Sério, é muito bom. Tem cenas clássicas como os dois dançando tango nos bastidores, e as músicas temas do filme são "Love is in the Air" e "Time After Time". Se você um dia assistiu Os Piores Clipes no Mundo na MTV, quando o Marcos Mion não era tão idiota e apresentava o programa com um bastão de elefante de pelúcia (por que, né?), você com certeza sabe qual é o clipe "Love is in the Air". É o pior clipe da história, praticamente.

Mas o filme é todo especial, com cenas ótimas de dança, o passo-doble, enfim.

3. Vem Dançar


Mais um filme que une o hip-hop, mas desta vez à dança de salão. O filme conta a história de um professor de dança, o Antonio Banderas, que vai dar aulas de dança de salão para alunos de uma escola pública. Esse filme une também a minha paixão de filmes com vários personagens (adoro), e é lindo. As músicas são super bem editadas, as cenas de dança são ótimas, e os dançarinos são todos muito bons.

Ele é bom porque diverge da história de sempre (casal um talentoso e um com talento escondido que será descoberto), porque todos sabem dançar hip-hop, e ninguém sabe dançar dança de salão. A cena de tango na competição (claro, tem que ter uma competição) com a garota e os dois apaixonados por ela é muito boa! Adoro.

2. Dirty Dancing 2 - Havana Nights


Eu lembro com clareza do dia que eu vi esse filme no cinema, com as minhas amigas. Éramos um grupo de adolescente meio esquisitas e já cultivavamos a nossa paixão por filmes de dança e musicais, e corremos pro cinema pra ver esse. É um dos únicos filmes-continuação que é realmente bom. Desta vez, nenhum dos dois é dançarino profissional (bingo!). Assim como o Dirty Dancing 1, ele também se passa num hotel, e também existem aulas de dança (e o professor é o Patrick Swayze velhinho!), mas as semelhanças praticamente acabam aí.

A história fala sobre uma menina que se muda para Cuba nos anos 1950, e lá conhece o Diego Luna. Ele então ensina ela a dançar salsa, e ela passa para ele os princípios da dança de salão, e juntos eles vão competir no final do filme, fazendo uma dança toda caliente durante o filme. As músicas são muito boas, o casal é muito lindo, a história é a de sempre, mas também é linda.

1. Dirty Dancing


Foi em Dirty Dancing que todas nós, garotas desajeitadas, aprendemos que é possível aprender a dançar e, assim, encontrar o amor de sua vida. Esse filme é um clássico, o mais incrível, e tem a melhor dança de encerramento de todos os tempos.



Por algum motivo que eu desconheço, todas as cenas desse filme que estão no Youtube não são permitidas para você colocar no seu blog, então clica aqui para relembrar a melhor cena de dança de todos os tempos.

Cause I had the time of my liiiife
No, I never felt this way before...


Obs: Curtam a página do blog no Facebook! Não deixem a Baby no canto!

9 Coisas Aleatórias

Vi no blog da Lya faz um tempo, e pensei logo em colocar aqui. Adoro essas bobagenzinhas assim desde que me entendo por gente! Então, lá vai:

1. Eu tenho um medo irracional de caranguejos. Eu sei que eles não vão fazer nada e que eles tem medo de mim, mas não adianta. Eu tenho medo, e pronto. Não consigo entrar no mar se eu estiver vendo um caranguejo enorme e azul me esperando.

2. Eu namoro o Marcelo há 4 anos, mas nunca contei como a gente se conheceu: foi no terceiro ano (eu não estudei no terceiro ano). Eu entrei na minha sala, no começo do ano, e ele estava lá. Nossos olhares se cruzaram por um tempo, e o olhar dele mexeu comigo. Sério. Dias depois, começamos a conversar por PAPEL (adoro a modernidade disso).

3. Ainda mais surreal, e que ele não acredita até hoje: eu sempre sabia que eu ia me apaixonar perdidamente por um Marcelo. Eu vivia conversando sobre isso com o meu melhor amigo da época - quando vou conhecê-lo? Mas omiti isso do Marcelo durante muito tempo porque, né, ninguém quer ser stalker.

4. Quando eu era pequena eu queria ser ou paleontóloga ou bióloga - mas foi só ter aula de Biologia pra mudar de idéia.

5. Eu não consigo usar salto alto.

6. Minha banda favorita é Foo Fighters, desde que lançou o clipe de Best of You. Minha música favorita deles muda todo mês, mas geralmente Times Like These se mantém no posto.

7. A minha capacidade de concentração é muito, muito forte. Quando estou no ônibus ouvindo música, viajo tanto que não noto quando as pessoas sentam / levantam do meu lado. As coisas que eu imagino às vezes são tão reais que eu choro (!), tipo por pena de um personagem ou outro.

8. Eu não tenho filme favorito, e sim vários filmes que eu gosto bastante. E livro favorito... Óbviamente é Harry Potter, mas eu não sei qual dos 7. Com certeza fica entre o 4, o 6 e o 7.

9. Eu não consigo ficar nervosa. Em momentos de muito estresse, eu me reduzo à uma forma de vida meio parecida com uma ameba: não consigo reagir... Parece que às vezes a ficha não cai, simplesmente. Quando era adolescente, nas vésperas da prova que eu não estudei, eu ia jogar The Sims sem a menor preocupação. Na época do vestibular, eu dormia. E hoje, nas vésperas de apresentar um trabalho, eu fico desenhando qualquer coisa. Até hoje eu ainda não descobri se isso é um defeito ou uma qualidade.

Passo esse meme super ultra egocêntrico para a minha querida Gabi, que faz os comentários mais fofos ever, mas todo mundo se sinta à vontade, né. Mas se você tiver paciência, ou não quiser postar no seu blog, comenta aí algumas coisas aleatórias sobre você :D

Ah, outra coisa:
Fiz uma meta mental que irei fazer, no mínimo 1 background por mês para o meu twitter (@gabrielacouth) Até agora fiz dois! O último, estrelando a Baby Pudding e o Bagel :D

Backgrounds


O tamanho original está no flickr. E, como dizem... Propaganda é a alma do negócio :D
(acho que eu adoro essa carinha :D)
:D
:D

:D

PS.: queridas leitoras, não consigo tirar essa maldita borda horrorosa das minhas imagens. Alguém sabe #comofas?

25 anos. Mora no Rio de Janeiro, é carioca de alma, mas cearense de coração. É designer e está tentando se encontrar nesse mundo. Sou casada com meu melhor amigo, o Marcelo Bernardo, e mãe da Dindi the Boston.

Gosto de ler, de dormir de rede, de inspirações repentinas e de petit gateau. Mas o mundo seria muito melhor sem aliche gente que fura fila. Ah, e de vez em quando eu desenho.

Autora


Welcome

Tecnologia do Blogger.

Procura algo?






Esse blog está vestido com as roupas e as armas de Jorge, porque ninguém há de copiar esses textos e ilustrações sem dar o devido crédito.