Sobre estilos e perfumes

Acqua de Giò, o cheiro das sextas-feiras. Minha mãe sempre usou esse perfume (desde quando consigo lembrar), mas só pra sair, assim, já depois de ter colocado o salto. Era um cheiro tão mágico e misterioso, que quando eu era pequena corria de vez em quando para o armário do quarto dela e sentia o perfume, forte demais dentro do frasco, mas incrível no contato com a pele (dela). Cheiro de mãe. E o patchouli do papai também, o cheiro de madeira, que ele colocava só uma gotinha atrás de cada orelha. O perfume acabou faz tempo, mas ainda é a cara dele.

Eu nunca tive tanta sorte em ter um cheiro só meu, talvez por ainda estar virando adulta (ok, agora já sou), e por não ter um estilo muito definido. É que sei lá, às vezes dá vontade de sair de casa feito mendigo, às vezes super vintage, às vezes meio ~roqueira~. E notei que meus perfumes (escolhidos principalmente pela promessa de uma vida em Paris feita pelas propagandas) acompanham essas minhas vontades. E meus perfumes duram uma eternidade, porque não sou de passar muito.

Quando eu era pequena, de cabelinho Amelie, era só o Lavanda Pop que eu usava. E até hoje ainda tenho um frasco, que sempre reponho quando acabo, pra todo dia. Que é quando eu não estou muito inspirada, ou não estou sentindo particularmente nada de especial - me sentindo meio 80% preguiça e 20% eu, me empurrando vida a fora. Aí fico de lavanda, porque pelo menos tem aquele cheirinho de banho recém tomado que acompanha o dia inteiro.


Lavanda Pop - O Boticário

Tem dia que eu acordo meio Farm. De cabelo solto, de vestidinho, de blush coral no rosto e Daisy atrás das orelhas. É um cheiro floral, meio animado, meio leve, com jeito de verão. É doce sim, mas é mais primaveril que qualquer outra coisa. São nesses dias que quero botar flores no cabelo cheio de tranças. Isso geralmente não acontece, porque por mais que Julia Petit ensine, quase nada é absorvido, mas fica o espírito. Eu amo o Daisy e estou no meu segundo frasco.


Daisy - Marc Jacobs


Mas aí tem dias que eu estou mais Nina. É meu estilo roqueira fake, ouvindo Foo Fighters e querendo o cabelo fora da nuca. Se eu estou de delineador, tem uma chance enorme de eu estar Nina. É doce, mas é tão atrevido. Estou no meu terceiro frasco já, e minha mãe comprou errado da última vez e trouxe o Nina Elixir, que é mais cheiro de banho ainda (amo cheiro de banho), mais suave: ou seja, muito melhor.


Nina Elixir - Nina Ricci


Tem dias que eu acordo com os cabelos de rolinhos e Russian Red. Dá vontade de assar bolos, usar salto. Esse perfume é super especial porque, além de LINDO, foi Marcelo Bernardo que me deu (e coube a ele dar a palavra final de qual ia escolher), então o cheiro do Ricci Ricci é reservado somente a ele, embora tenha sido o perfume que levei para morar em Londres (para lembrar dele, awn).

Ricci Ricci - Nina Ricci
Meu perfume da night eu ganhei em 2005 e ainda estou nele – um comparativo absolutamente realista da frequência que eu vou para a night. Tem que ser um momento meio específico que eu não esteja me sentindo muito roqueira, ou muito vintage, e sim com uma vontade simples de arrasar, o que faz com que eu praticamente nunca use esse perfume. Foi o primeiro perfume legal que eu ganhei e meu pai que me deu, meio a contragosto, e nem acho ele muito parecido comigo, mas ele tem o seu lugar cativo no meu armário.

Laguna - Salvador Dalí

E por fim, a ode ao meu amado, recém descoberto, recente paixão arrebatadora. Quando senti o cheiro desse perfume, imediatamente fui levada a um quarto amplo, com uma cama de edredom branco de plumas, travesseiros perfumados e uma cortina de algodão sacudindo na janela, and I kid you not. Desde Setembro que não quero saber de outra coisa além do cheiro incrível, fresco e doce do Chloé. Como diz Marina Smith, só duas borrifadas e sua conta bancária vai para os milhões. Quando estou com esse perfume ninguém passa na minha frente na fila porque sou uma menina, e sim uma jovem e rica mulher. Sim, é esse tipo de coisa que acontece comigo quando estou usando o Chloé. É tipo o meu anel do Lanterna Verde, a cueca de foguetes da sorte do Calvin. A propaganda é verdadeira e dá vontade mesmo de ficar deitada na cama abraçada com um frasco gigante, porque gente, esse é o perfume da minha vida.

Chloé Eau de Parfum
E como o Chloé agora sou eu, não importa o que eu esteja usando, uma mistura absoluta de todos os looks, se estou com vontade de mendigar e passar o dia de moletom, esse perfume é a poção pra que o mundo fique um pouquinho melhor.

Obs: eu provavelmente deveria ter falado sobre as notas de fundo, ou algo assim, mas simplesmente não vejo como notas de cereja adamascada fazem diferença na minha vontade de sair de casa de sneaker ou de chinela havaiana mordida.

Obs 2: fiz uma página para o blog! Curta! Vai ter ilustrações em tempo real, outras divagações e alguns dizem que até bolo!
  1. HAHA, adorei, Couth! Meu sonho sempre foi ter o meu perfume! Adoro reconhecer pessoas pelo cheiro, sabe aquela pessoa que você sabe que chegou na festa só de sentir o cheiro quando entra no salão? Então. Sempre quis ser dessas, mas não tenho talento nenhum pra isso pois sempre me apaixono por perfumes diferentes e fica me dando aquela vontade louca de comprar outro.. Mas que fiquei doida pra sentir o cheiro do Chloe, ah, fiquei!

    ResponderExcluir
  2. Ai, que delícia de post! Fiquei tentando imaginar o cheirinho dos perfumes porque desses só conheço o Lavanda Pop. E, assim como a Analu, fiquei com muita vontade de conhecer o Chloe! Você tá tão diva nessa ilustra e a descrição do que sentiu foi tão fantástica, haha! Eu sou daquelas que intercala dois perfumes. Até tinha um cheiro característico, mas enjoei dele =/

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Não estou com tempo de ler, mas passei pra dizer que esse layout ficou DIVINO!

    ResponderExcluir
  4. Amo quem tem relações especiais com os seus perfumes, porque eu não tenho e morro de inveja. Quando era criança só usava o Ma Cherie e o da Capricho, e assim foi até que o Boticário lançou o Thati Pink, edição especial e limitada que me fez ESTOCAR vidrinhos de perfume para postergar o fim inevitável.
    Depois veio a paixão pelo Angel. Quem nunca, né? Mas, com o tempo, fui me cansando. Doce demais.
    Mamãe usou Acqua de Giò por uns tempos também, mas quando penso no cheiro dela o que me vem a cabeça mesmo é o Floratta In Blue.
    Aliás, mamãe é a louca do perfume e eu, a sem personalidade perfumística definida, costumo gansar na penteadeira dela. Esse ano descobri o A Noite Veste Prata, da QDB?, e acho que pode ser um perfume da vida. Ao menos tem significado o suficiente pra isso.
    E ainda terei algum perfume da Nina Ricci, porque as propagandas dela são demais de lindas <3
    E cara, nem preciso falar dos desenhos, né? Die bitch! hahaha #recalque
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Ahhh que post lindo! Fico tão feliz quando você posta, é sempre bom ter mais uma amostra de tanto talento e desenhos lindos!

    ResponderExcluir
  6. Que post legal, Couth!
    Já usei Lavanda Pop e lembrei do cheiro dele ao ler esse post agora, deu uma saudade. Mas eu também não tenho uma relação muito forte com perfumes. Até porque alguns acompanharam momentos que eu quero apagar, então por melhores que eles sejam, não rola.
    E as ilustrações, hein? Sei não viu, quanto talento! <3
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Omg! Tenho os dois da Nina Gabi ♥ mas não sou apaixonada pelas notas. Comprei pelo comercial -Q! Mas o Ricci Ricci tem essa coisa de gata sapeca mesmo como mostra no comercial.
    Meu ad infinitum é o Hypnotic Poison da Dior (cheiro rico, cheiro que nunca vi, cheiro enigmático!). Tenho roll on do Daisy e acho o perfume mais romântico pq meu namorado deu a ele um significado especial trazendo-me a flor que tem na fragância.
    Mamãe não costuma usar perfume. Vovó sim, ela usava aquele Alfazema q vende na farmácia - com uma camponesa na caixa ♥ -, qd pequena eu passava, achava cheiroso o cheiro da vovó.
    Mas doce como sou, um dos meus escolhidos quase que sempre é o Fantasy da Britney, me sinto em um clipe da Katy Perry cheio de pirulitos, balas, algodões doce ♥ PÔNEI LAND!
    - Amei abrir meu coração olfativo aqui ahahah e suas aquarelas :)
    Beijos querida!

    ResponderExcluir
  8. Ok, agora eu li o texto! HAHAAH
    Quando criança usava Ma Cherie do boticário, embora também adore cheiro de banho, mas não gosto de perfume com cheiro de banho, na real, é muito raro eu gostar de um perfume. O perfume da minha vida é "Ovelha Negra" da "Quem disse, berenice?" nõa que eu conheça muitos perfumes, mas este eu comprei com a Máfia, elas que escolheram pra mim e simplesmente tem um cheiro maravilhoso que me dá vontade de beber o frasco, só que como ele é pequeno eu economizo e só uso quando saio, porque, na real, não gosto de usar perfume todo dia, tenho a teoria de que ele mascara meu cheiro de verdade, e eu sempre quis saber qual é o meu cheiro de verdade, porque todas as pessoas têm um cheiro, eu tenho que ter um também! hahahaha
    Amei teus desenhos, viu? Linda! E o layout também!
    Aproveite bem teu recesso, flor!
    Abraços <3

    ResponderExcluir
  9. Eu não gosto muito de perfume. Sempre acho os cheiros doces demais, que são enjoativos, ou fortes demais, desses de mulher poderosa, que eu não tenho a manha de ser. Minha mãe usa um Issay Miyake maravilhoso todos os dias que ela sempre pede para nós trazermos quando vamos viajar. Mas, na última viagem internacional, cheirei todos os perfumes do freeshop até achar um que eu gostasse. É o Irrestistable Rosa, da Givenchy, achei super gostoso. Mesmo assim, só uso pra sair em ocasiões especiais. Acho que preciso de um de lavanda pra usar todos os dias e ser uma adulta de verdade.

    Amo seus desenhos e o jeito que você capricha nos posts. Espero que fique famosa com isso algum dia :)
    Beijo!

    ResponderExcluir
  10. Confesso que já sabia desse post previamente, foi bem complicado conseguir descobrir qual perfume combinava com qual estilo.. ;@

    ResponderExcluir
  11. Tirando o primeiro, usamos os mesmos perfumes :)

    ResponderExcluir
  12. que delícia de post; amei demais os seus desenhos e a forma como você relacionou seu jeito e suas vontades com cada perfume. não sei se tenho algum perfume que seja a minha cara, mas gosto do floratta in gold (boticário); na verdade, já devo estar no 4º frasco - o perfume que mais usei, então o meu perfume talvez, rs.

    nunca usei perfume importado e fiquei ainda mais curiosa com o seu post. lembro-me que esses dias vi o daisy, o nina elixir e o ricci ricci na renner, mas de longe mesmo, nem parei p/ sentir o cheiro deles; quando eu voltar lá, vai ser diferente, vou querer sentir todos eles, rs.

    beijo

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Oi!!! Adorei.
    Viajei no tempo e nas fragâncias que fizeram e fazem parte da minha vida.
    Os seus posts são contagiantes!!!
    Bjs.

    ResponderExcluir


25 anos. Mora no Rio de Janeiro, é carioca de alma, mas cearense de coração. É designer e está tentando se encontrar nesse mundo. Sou casada com meu melhor amigo, o Marcelo Bernardo, e mãe da Dindi the Boston.

Gosto de ler, de dormir de rede, de inspirações repentinas e de petit gateau. Mas o mundo seria muito melhor sem aliche gente que fura fila. Ah, e de vez em quando eu desenho.

Autora


Welcome

Tecnologia do Blogger.

Procura algo?






Esse blog está vestido com as roupas e as armas de Jorge, porque ninguém há de copiar esses textos e ilustrações sem dar o devido crédito.