Sobre estilos e perfumes

Acqua de Giò, o cheiro das sextas-feiras. Minha mãe sempre usou esse perfume (desde quando consigo lembrar), mas só pra sair, assim, já depois de ter colocado o salto. Era um cheiro tão mágico e misterioso, que quando eu era pequena corria de vez em quando para o armário do quarto dela e sentia o perfume, forte demais dentro do frasco, mas incrível no contato com a pele (dela). Cheiro de mãe. E o patchouli do papai também, o cheiro de madeira, que ele colocava só uma gotinha atrás de cada orelha. O perfume acabou faz tempo, mas ainda é a cara dele.

Eu nunca tive tanta sorte em ter um cheiro só meu, talvez por ainda estar virando adulta (ok, agora já sou), e por não ter um estilo muito definido. É que sei lá, às vezes dá vontade de sair de casa feito mendigo, às vezes super vintage, às vezes meio ~roqueira~. E notei que meus perfumes (escolhidos principalmente pela promessa de uma vida em Paris feita pelas propagandas) acompanham essas minhas vontades. E meus perfumes duram uma eternidade, porque não sou de passar muito.

Quando eu era pequena, de cabelinho Amelie, era só o Lavanda Pop que eu usava. E até hoje ainda tenho um frasco, que sempre reponho quando acabo, pra todo dia. Que é quando eu não estou muito inspirada, ou não estou sentindo particularmente nada de especial - me sentindo meio 80% preguiça e 20% eu, me empurrando vida a fora. Aí fico de lavanda, porque pelo menos tem aquele cheirinho de banho recém tomado que acompanha o dia inteiro.


Lavanda Pop - O Boticário

Tem dia que eu acordo meio Farm. De cabelo solto, de vestidinho, de blush coral no rosto e Daisy atrás das orelhas. É um cheiro floral, meio animado, meio leve, com jeito de verão. É doce sim, mas é mais primaveril que qualquer outra coisa. São nesses dias que quero botar flores no cabelo cheio de tranças. Isso geralmente não acontece, porque por mais que Julia Petit ensine, quase nada é absorvido, mas fica o espírito. Eu amo o Daisy e estou no meu segundo frasco.


Daisy - Marc Jacobs


Mas aí tem dias que eu estou mais Nina. É meu estilo roqueira fake, ouvindo Foo Fighters e querendo o cabelo fora da nuca. Se eu estou de delineador, tem uma chance enorme de eu estar Nina. É doce, mas é tão atrevido. Estou no meu terceiro frasco já, e minha mãe comprou errado da última vez e trouxe o Nina Elixir, que é mais cheiro de banho ainda (amo cheiro de banho), mais suave: ou seja, muito melhor.


Nina Elixir - Nina Ricci


Tem dias que eu acordo com os cabelos de rolinhos e Russian Red. Dá vontade de assar bolos, usar salto. Esse perfume é super especial porque, além de LINDO, foi Marcelo Bernardo que me deu (e coube a ele dar a palavra final de qual ia escolher), então o cheiro do Ricci Ricci é reservado somente a ele, embora tenha sido o perfume que levei para morar em Londres (para lembrar dele, awn).

Ricci Ricci - Nina Ricci
Meu perfume da night eu ganhei em 2005 e ainda estou nele – um comparativo absolutamente realista da frequência que eu vou para a night. Tem que ser um momento meio específico que eu não esteja me sentindo muito roqueira, ou muito vintage, e sim com uma vontade simples de arrasar, o que faz com que eu praticamente nunca use esse perfume. Foi o primeiro perfume legal que eu ganhei e meu pai que me deu, meio a contragosto, e nem acho ele muito parecido comigo, mas ele tem o seu lugar cativo no meu armário.

Laguna - Salvador Dalí

E por fim, a ode ao meu amado, recém descoberto, recente paixão arrebatadora. Quando senti o cheiro desse perfume, imediatamente fui levada a um quarto amplo, com uma cama de edredom branco de plumas, travesseiros perfumados e uma cortina de algodão sacudindo na janela, and I kid you not. Desde Setembro que não quero saber de outra coisa além do cheiro incrível, fresco e doce do Chloé. Como diz Marina Smith, só duas borrifadas e sua conta bancária vai para os milhões. Quando estou com esse perfume ninguém passa na minha frente na fila porque sou uma menina, e sim uma jovem e rica mulher. Sim, é esse tipo de coisa que acontece comigo quando estou usando o Chloé. É tipo o meu anel do Lanterna Verde, a cueca de foguetes da sorte do Calvin. A propaganda é verdadeira e dá vontade mesmo de ficar deitada na cama abraçada com um frasco gigante, porque gente, esse é o perfume da minha vida.

Chloé Eau de Parfum
E como o Chloé agora sou eu, não importa o que eu esteja usando, uma mistura absoluta de todos os looks, se estou com vontade de mendigar e passar o dia de moletom, esse perfume é a poção pra que o mundo fique um pouquinho melhor.

Obs: eu provavelmente deveria ter falado sobre as notas de fundo, ou algo assim, mas simplesmente não vejo como notas de cereja adamascada fazem diferença na minha vontade de sair de casa de sneaker ou de chinela havaiana mordida.

Obs 2: fiz uma página para o blog! Curta! Vai ter ilustrações em tempo real, outras divagações e alguns dizem que até bolo!

Retrospectiva Literária 2012

Ano passado, comecei a escrever esse post e deixei pela metade. Os critérios são os que a Anna Vitória postou no So Contagious em 2011, porque ia ficar meio boring sair dizendo livro por livro, quando na verdade alguns foram tão sem graça que nem contam. Participação do Marcelo Bernardo, porque ele leu muito mais livros do que eu, e a gente sempre discute esse tipo de coisa mesmo.


 A gente fica olhando pra cima por causa da estante, hahah


Os possíveis indicados:

Gabriela leu em 2012:
Fragile Things - Neil Gaiman
Harry Potter das Páginas para a Tela - McCabe
A Juba do Leão - Arthur Conan Doyle
Habibi - Craig Thompson
Chunky Rice - Craig Thompson
Festim dos Corvos - George R.R. Martin
Koko be Good - Jen Wang
Flight 2 - Comics Anthology
Smoke and Mirrors - Neil Gaiman
Dança dos Dragões - George R.R. Martin
Mundo de Zofia - Kelly Link
Ensaios - Truman Capote
Anansi Boys - Neil Gaiman
Um dia - David Nicholls
Além do Planeta Silencioso - C. S. Lewis
A Culpa é das Estrelas - John Green
A Casual Vacancy - J. K. Rowling
Stardust - Neil Gaiman
Harry Potter e a Câmara Secreta - J.K. Rowling
Biografia do John Lennon - Philip Norman (terminando ainda)

Marcelo leu em 2012:
Um estudo em Vermelho - Arthur Conan Doyle
Calabar - Chico Buarque
O Círculo Vermelho - Arthur Conan Doyle
The Complete Poetry of Edgar Allan Poe
Anansi Boys - Neil Gaiman
Antologia Poética - Fernando Pessoa
Duma Key - Stephen King
Sentimento do Mundo - Carlos Drummond de Andrade
Budapeste - Chico Buarque
Around the World in 80 days - Jules Verne
Antropofagia - Caetano Veloso
João Gilberto (edição Cosac Naify)
Perelandra - C.S. Lewis
A lenda de Sigurd e Gudrun - J.R.R. Tolkien
Hans Christian Andersen Complete Fairy Tales
A Dança dos Dragões - George R.R. Martin
O Festim dos Corvos - George R.R. Martin
A Tormenta de Espadas- George R.R. Martin
A Onda que se Ergueu no Mar - Ruy Castro
Para Seguir Minha Jornada (Biografia Chico Buarque) - Regina Zappa
João Gilberto - Zuza Mello (coleção Folha)

25 anos. Mora no Rio de Janeiro, é carioca de alma, mas cearense de coração. É designer e está tentando se encontrar nesse mundo. Sou casada com meu melhor amigo, o Marcelo Bernardo, e mãe da Dindi the Boston.

Gosto de ler, de dormir de rede, de inspirações repentinas e de petit gateau. Mas o mundo seria muito melhor sem aliche gente que fura fila. Ah, e de vez em quando eu desenho.

Autora


Welcome

Tecnologia do Blogger.

Procura algo?






Esse blog está vestido com as roupas e as armas de Jorge, porque ninguém há de copiar esses textos e ilustrações sem dar o devido crédito.