Fortaleza - Parte II

Então, continuando a saga do Carnaval em Fortaleza:

3. Tempo livre
Eu não consigo acompanhar séries, não sei se vocês sabem. É um descompromisso, nunca tenho vontade de baixar, sou apaixonada mas esqueço nas últimas temporadas, enfim. Série boa para mim é aquelas que você não precisa acompanhar para assistir (tipo CSI ou Criminal Minds, que eu assisti uma centena de episódios, mas, por algum motivo, não vi o fim. Ou Friends, que eu acompanhei razoavelmente até o fim, mas sempre vejo sem compromisso). Então ao contrário de todo mundo que eu conheço que ficou na cidade para botar as séries em dia, eu não fiz isso.

Tinha me planejado para organizar alguns assuntos do blog, mas a internet caiu no sábado e não voltou mais. Estava sem internet e tive que adivinhar o telefone da GVT para reclamar, como ia arrumar número sem pesquisar pela internet? Enfim. C'est la vie.

Mas aproveitei para ler e tirar o Orgulho e Preconceito do atraso! E estou perdidamente apaixonada pelo senhor Darcy! Mas isso é outro post.

4. Festas
Não teve.
Pé podre não permite interação social que não envolva uma cadeira bem confortável para eu me sentar e risco nenhum de alguém pisar nele.

5. Filmes



As Vantagens de Ser Invisível estreou finalmente em Fortaleza nesse final de semana, apenas uma sessão por dia, então tratamos de correr para assistir logo antes que saísse de cartaz. É um ótimo filme de high-school, e a atuação do Ezra Miller como Patrick está incrível. Também me afeiçoei ao Percy Jackson Charlie. Para mim, é um filme sobre amizades, e sendo um filme sobre amizades, creio que ele teve seu objetivo atingido: quem não queria ser da turma dos três? Quem não queria ir às festas na casa da Mary Elizabeth, ou assistir ao musical, ou trocar presentes incríveis uns com os outros? Quem não queria se sentir infinito? Por favor, pessoal, me adotem. Finjo ter 17 anos de novo.

Agora, outro ponto: a Emma Watson. É claro que a nata do fandom de Harry Potter estava na sessão de estreia do filme, e abafamos todos gritinhos ao vê-la pela primeira vez na tela. E, sei lá, embora a achando linda, não posso dizer se gostei de vê-la no filme. Acho que ficou um pouco deslocada. Não sei se foi o fato dela, pela primeira vem em 10 anos de atuação, usar uma camiseta na tela, ou saias curtas, ou vestidos, mas não achei muito convincente.

E qual foi o fã de Harry Potter que não desejou que o beijo entre ela e o Rony tivesse sido um pouco mais como o beijo entre a Sam e o Charlie? Ok, eu disse que isso não era uma resenha. Prossigamos.

Também assistimos a O Lado Bom da Vidaum filme leve e divertido sobre um assunto tão delicado quanto os problemas mentais humanos. Como filha de psiquiatra e psicóloga, acabo me interessando pelo tema, mas o filme descartou o lado verdadeiramente problemático da coisa e seguiu para ser um filme leve, ideal para assistir num domingo à noite. Não li o livro para dar um parecer tão completo quanto o da Deyse, e para mim, foi só mais uma comédia romântica daquelas que a gente ama rever.

Morri de vergonha, de ficar vermelha e mortificada, de querer cobrir os olhos, quando eles estão dançando. E tenho vontade de matar quem diz que a Jennifer Lawrence é gorda. Sem mais.



Agora vamos ao ponto alto: os Miseráveis. Como fã doente de musicais, como uma pessoa cujo gênero favorito é musicais, não posso dizer como aguardei esse filme ser lançado. E embora opiniões sejam bem divergentes sobre ele, posso dizer que amei. Amei com todas as minhas forças.

O filme é longo, sim, o filme praticamente não tem falas, apenas canções. Como o Marcelo falou, é um musical level hard. Você tem que abstrair. E eu, que acredito que o mundo seria mais feliz se nós também passássemos o dia cantando as nossas emoções, nem notei. A falta de falas não fez nem cócegas em mim, que assisti ao filme inteiro arrepiada, com um nó na garganta. A atuação da Anne Hathaway, em certo ponto do filme reduzida ao lixo da sociedade, completamente nua de qualquer orgulho, é de arrepiar. Mas ela morre (spoiler, haha). E a vida continua. E o filme mostra isso, revelando personagens cada vez mais incríveis.



A Helena Bonham Carter dá um show, e o Sacha Baron Cohen também. Quem assistiu Sweeney Todd deve ter reconhecido, pois se não era a Mrs. Lovett mais uma vez, e o farsante do Mr. Pirelli novamente, não sem quem eram. Personagens cativantes, extremamente ingleses, que te fazem rir no meio daquela miséria (trocadilho infame) toda. Ah, mas eles só fazem os mesmos papeis. E para quê mexer num time que claramente está ganhando?

Quando achei que não podia ficar melhor, me aparece aqueles revolucionários lindos em cima de um palanque. Não sei quem vocês são, não sei o que pregam, mas quero esse broche, quero hastear essa bandeira, quero cantar junto com vocês, seus lindos. Quero ver o sangue revolucionário correndo pelas minhas veias também. Quero todos vocês dentro de uma caixinha para alisar. Quero tudo isso e mais um pouco. E quero aquele romance lindo e proibido que só musicais conseguem ter, e juras de amor eterno cantadas quando só o conheço há 12 horas mas já o amo. Eu, que nunca achei muita graça do Eddie Redmayne, quis colecionar todas aquelas sardinhas, e juro, cheguei em casa e botei o nome dele no google e fiquei procurando fotos e suspirando (tal qual faria em 2002). Não tem um dia desde então que não me veja pensando no Marius.

Do musical era óbvio que iria amar. Mas não esperava me envolver tanto assim, e sair do cinema com um aperto no coração, e uma vontade de ver o filme mais quantas vezes forem necessárias.

Necessito passar uns dois meses cantando, agora, até que passe essa vontade.
E necessito também de outro carnaval como esse :)
  1. Gabriela vc me fez baixar "Os miseráveis". Deos, já li e ouvi falar tanto que tenho que assistir ^.^
    Aspecto legal: você e filha de psicóloga e psiquiatra <3

    Beijocas Couth, adoro sempre aqui!!

    ResponderExcluir
  2. Gabi,
    a parte mais legal de tudo foi ver um especial sobre o filme depois e descobrir que eles realmente cantaram tudo, do começo ao fim, enquanto gravavam! Não foi dublagem, olha que coisa linda!
    E do final, tenho que admitir: preferi a cena da Eponine sobre todas as da Cossete. Ela só não conseguiu ganhar da Anne Hathaway mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho que confessar que não gostei da Eponine! Foi um preconceito absurdo mesmo, achei muito cabeção, hahaha, mas o talento é inegável. Vi logo que ela era da Brodway!

      E a personagem dela é muito judiada, coitada, o Marius só dando trela para a pobre. Mas realmente a Cosette parece um anjo, cabeção não teve chances, hahah...

      Excluir
  3. Amiga, que dor no coração de ler você falando aí em cima que não gostou da Éponine! Tadinha! Ela e o Gavroche são meus preferidinhos.. A Amanda me irrita porque os olhos dela são enormes, então tenho pouca paciência com a Cosette..
    E não curti O Lado bom da vida! :(
    Mas As vantagens é muito bom! hihi
    Beijo! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adoro que os nossos critérios são fundados num mar de preconceito, hahah! Mas é assim mesmo <3 E o Gavroche é muito lindo mesmo, dá vontade de botar no colo!

      Excluir
  4. Eu já tinha recebido um spoiler de Os miseráveis e quase morri. Aí eu chego aqui e vejo o mesmo spoiler e quase morri de novo, como se não soubesse. Isso é bom, né? Na hora que eu assistir vou morrer mais uma vez rs.

    Eu amo a Emma em As vantagens de ser invisível, apesar de ainda ser um pouco estranho ver ela em um personagem TÃO diferente. Tinha visto ela em Ballet Shoes mas.. mas..

    ResponderExcluir
  5. Amiga, sério, tu gostou do Marius????????? Como pode?? Ele é feio pra cacete e tem um bocão e uns beiços que mais parecem scargot! Ai, não! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk sou muito mais o Enjolras (Aaron Tveit). Muito mais lindo, mais fofo, mais revolucionário <3 <3. Amo Helena Boham Carter e Sacha Baron Cohen. Sempre. Beijão!!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. Chateada que vc disse que Perks of being a wallflower é "um filme high school", é tão mais que isso. TÃO mais. E Emma Watson tava linda - a meu ver - mesmo porque sou fã dela e já tinha visto os outros filmes além HP que ela fez e eles foram maravilhosos, porque ela é maravilhosa. Mas concordo sobre o beijo dela e do Rony, rs.
    Os Miseráveis é lindo, maravilhoso, salve salve e não só pelas músicas mortíferas mas também pela história maravilhosa. A meu ver, no entanto, Helena Bonham Carter não faz só os mesmos papeis e ando tão chateada com essa visão que o mundo tem dela que estou até estruturando um texto para rebater. Mas sim, ela parece a Mrs. Lovett nesse filme e ela continua linda e bem entonada.
    Tô com a Marcela e prefiro o Enjolras, mas o Marius tem seu charme, só morro de pena da Eponine, tanto que basta lembrar o nome dela preu chorar again.
    Enfim, inveja desse teu feriado. Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Guria, eu estou com todas as minhas séries atrasadas. Às vezes eu gostaria de ser um pouco descompromissada com séries também.

    Dos filmes que tu falou eu não assisti nenhum ainda. Quero muito ver As Vantagens de ser Invisível e O lado bom da vida. Não gosto de musicais, por isso eu passo Os Miseráveis. Quando eu falo isso, muita gente quer me matar, mas eu não gosto, fazer o que? :(

    Adorei o teu Carnaval. Achei leve e feliz. :)
    Beijo. <3

    ResponderExcluir
  8. Cara, me sinto menos excluída no mundo quando você diz que também não vê séries. Eu vejo umas 4, no máximo, mas tou super atrasada. Não tenho nem assunto quando o tema é séries.
    Chateada que vc disse que Perks of being a wallflower é "um filme high school", é tão mais que isso. TÃO mais. [2] Lembrei da Bruna Vieira, que colocou Vantagens em uma lista de ''filmes adolescentes que você precisa ver''. Nossa, quando vi isso passei meia hora xingando essa menina no twitter, Couth. Só não vou fazer o mesmo com você porque né, amizades, amizades, filmes à parte. Mas saiba que estou magoada.
    E, cara, sonho da minha vida ter o corpo da Jennifer Lawrence. Mão na cara de quem diz que ela é gorda - ela só não é esquelética. E MERDA PRA TI, GABRIELA COUTH! Que spoiler enorme foi esse sobre Os Miseráveis? Vou nem mentir porque nem acabei de ler o texto depois dessa, morrendo de medo de ter mais spoiler do filme que eu mais adiei na vida pra ver.
    E eu ainda te amo, apesar do comentário irritada da vida.
    Beijo! <3

    ResponderExcluir
  9. Não sei da onde que filme de High School deixa o filme desmerecedor! Clube dos 5 também é um filme de High School e nem por isso deixa de ser incrível. É sobre adolescentes que vão ao colégio = filme de High SchoolE também já vi outros filmes da Emma, mas acho que nunca tinha visto ela tão à vontade, hahaha.

    E eu também amei o Enjolras! Mas o Marius despertou o lado infanto juvenil em mim! E nem gosto dele cantando, achei que a voz dele é bem chatinha. Não sei o que foi, ovários explicam.
    E ai, juro que achei que todo mundo sabia esse spoiler, tinha até na sinopse do filme! Hahahahahah! Sério, ela passa 10 minutos em cena. Vou deixar "apagado".

    Que bom que Deyse e a Mayra ainda me amam <3

    ResponderExcluir
  10. Estou louca para ver esses filmes *-*

    ResponderExcluir
  11. Que delicia Couth! Carnaval muitíssimo bem aproveitado o seu! E cara, amei o filme de perks, mas o sotaque da Emma é uma desgraça né? Ela tava super fofinha como Sam e tal, mas sejamos sinceras o filme não é nem do Logan - que tambem está MARAVILHOSO (ainda mais se for comparar com a apatia do Percy em O ladrão de Raios) - e sim do Ezra, AI EZRA ♥
    Estou seca, porem sem coragem, pra assistir les mis por motivos de: i dreamed a dream, ouvi essa musica em Glee (pode me julgar) e logo fui caçar de onde era e todas as versões TODAS que eu ouvi eram de tirar o folego, a letra dessa musica é simplesmente de matar qualquer um e apesar de não ter gostado muito da voz da Anne em Rio todo mundo diz que ela está bárbara nesse filme e.. enfim, é um must see né? Haha

    beijos!

    ResponderExcluir
  12. Também tenho preguiça de seriado. Só acompanho mesmo Big Bang Theory e Doctor Who (que tô esperando sair do hiato) e só consigo assistir os curtinhos com poucas temporadas (como Pushing Daisies) e esses que não precisa acompanhar (como House e CSI) e esses, só na TV ou quando alguém aluga o box. Maior preguiça do mundo de baixar episódio por episódio. E, na verdade, tenho muita preguiça de ver filmes também. Tem que estar no mood certo, sabe? No cinema é outra coisa, mas ver em casa é mais difícil.
    Fui ver Os Miseráveis também e achei maravilhoso, quase morri junto com a Anne Hathaway e chorei o filme inteiro. Mas acho que estou ficando velha: revolucionariozinho de botique não me emociona mais (conheço um sem fim desses da universidade) e acho dramático demais morrer de amores por alguém que vc viu na rua. Mesmo assim, meu namorado das barricadas seria o líder de cabelo encaracolado. Amo uns caichinhos.
    Imaginei mesmo que ver a Emma em outros filmes seja muito bizarro. Foi igual ver o Daniel em Mulher de Preto. Eu esperava ele tirar a varinha e fazer um feitiço a qualquer momento. Vai ser muito difícil esses atores conseguirem nos convencer em qualquer outra coisa por um bom tempo, acho.
    Que gostoso esses carnavais traquilos, pra poder dormir bastante e ler e ver um monte de filmes.
    Espero que algum dia seu pé fique melhor.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  13. Seu blog me odeia, mas não vou deixá-lo estragar nossa amizade. Hahaha! Enfim, também achei pesado você chamando a pobre da Éponine de cabeção. Gente, eu amo demais! Torci por ela, chorei com ela, cantei com ela. Samantha Barks é uma cantora estupenda e humilhou Amanda Seyfried nesse quesito. E também no carisma. Achei a Cosette bem chatenha. O Marius é fofo mesmo, super simpatizei com ele. Mas em um filme com Russell Crowe, minha querida, minhas atenções já tem pra onde ir.

    Entendi o que você quis dizer sobre As Vantagens <3 <3 <3 Amo o filme, amo o livro, amo o Charlie. Minha vida é mais completa porque eles existem. Simples assim.

    E quem chama a Lawrence de gorda devia morrer.

    Beijos!

    ResponderExcluir


25 anos. Mora no Rio de Janeiro, é carioca de alma, mas cearense de coração. É designer e está tentando se encontrar nesse mundo. Sou casada com meu melhor amigo, o Marcelo Bernardo, e mãe da Dindi the Boston.

Gosto de ler, de dormir de rede, de inspirações repentinas e de petit gateau. Mas o mundo seria muito melhor sem aliche gente que fura fila. Ah, e de vez em quando eu desenho.

Autora


Welcome

Tecnologia do Blogger.

Procura algo?

Arquivo do blog






Esse blog está vestido com as roupas e as armas de Jorge, porque ninguém há de copiar esses textos e ilustrações sem dar o devido crédito.