Fortaleza - parte I

Ou um post muito (muito) longo no qual começou sendo um meme, passou por um dramalhão e se resumiu como "resenha" "gastronômica" de dois restaurantes, além de três críticas muito meia boca de filmes.

Ok, ok, eu não deveria ter feito isso. Recebi esse título de post da querida Iralinda, com uma definição incrível até, mas, unindo o útil ao agradável, resolvi colocar para fora o relato que foi meu Carnaval aqui, na adorável terra do sol.

Na quinta-feira, dia sete de fevereiro, me deitei na minha cama e rolei de um lado para o outro, na apreensão do que ia fazer no dia seguinte. Sexta-feira de carnaval. Até o dia anterior, estava certa das minhas convicções: Marcelo Jeneci viria fazer show em Fortaleza no dia 10, véspera do meu aniversário, e meia-noite iria cantar com ele, me jogar em seus braços, enfim. Tudo lindo, até que foi divulgada uma nota que a prefeitura havia se enganado, e propagado erroneamente a informação que o Jeneci estaria aqui, quando, na verdade, ele sempre iria para Recife. Tão longe, tão perto. Diante disso, tudo que eu tinha como certo foi tirado de mim, e a perspectiva de viajar com meus pais (que iam para a cidadezinha de Guaramiranga) pareceu tentadora. Olha só: casa na serra, friozinho, comida somente da melhor, muitas horas de sono para repor debaixo dos cobertores com o Sr. Darcy para me fazer suspirar. E o Sr. Bernardo do lado, lendo também. Mas aí, depois de muito drama desnecessário (meu), decidi ficar.

E nesses quatro (cinco, porque emendei na sexta devido à problemas adjacentes ao meu Pé Podre) dias, teve:

1. Restaurantes
1.1.  San Paolo
Sábado eu estava louca para ir comer sorvete, e ele, para ir torrar seu dinheiro na Livraria Cultura. Fomos, e por lá encontramos com um casal de amigos muito querido. Passeamos, passeamos, comprei um livrinho do Neil Gaiman para desopilar (hahah), e fomos ao sorvete. Ah, o Sorvete. AH O SORVETE.


Vontade de mergulhar dentro do sorvete


A San Paolo abriu aqui na Varjota tem pouco tempo, mas é um fenômeno de público. E não posso tirar a razão de todas as pessoas que deixam as filas de lá uma confusão: o sorvete não é bom, é incrível. E é o ápice da gordice, porque além dos sabores artesanais e gordos (o favorito unânime é o de Leite Ninho), eles ainda são recheados com inúmeras opções mais gordas ainda, como brigadeiro de colher (o favorito também), marshmellow, bis, kitkat, jujuba, biscoitos, e tudo mais que sua gula conseguir imaginar. Eu fui de Farinha Láctea, recheado de brigadeiro e kitkat. Sim. Oh, yes. É o tipo de coisa que, quando você prova, não consegue esquecer.



São duas mesas de pedra resfriadas, que permitem que os IceCreamMan (acabei de inventar isso) espalhem as bolas de sorvete de sua preferência e coloquem o recheio, sem que o sorvete perca a consistência. A cremância. Indico os sabores gordos mesmo, tipo o de Leite Ninho, o de Nutella ou o de Farinha Láctea. Mas Marcelo Bernardo e minha amiga Marília, que por algum motivo preferem sempre sorvetes mais light, aprovaram o sorvete de Pistache (é muito bom mesmo) e o de Musse de Maracujá.



A San Paolo fica na Rua Ana Bilhar, 1145.


1.2. Murano Grill

O Murano é amor antigo, descoberto em 2012 (ok, não tão antigo assim), e rapidamente ascendendo para a posição do meu restaurante favorito. Como é caro, eu costumo não me dar ao luxo de ir frequentemente, deixando-o apenas para ocasiões especiais. É lá que tinha o meu prato favorito de todos os tempos: Peito de Peru defumado e grelhado, servido numa redução de damascos e acompanhando um risoto de queijo brie. Eu chorava de amor verdadeiro por esse prato, e sempre que ia lá, pedia sem a menor culpa. Até que um dia o cardápio foi modificado e o Peru havia ido embora.

Nessas condições, o restaurante caiu no meu nível de satisfação, e desde então eu tenho procurado no cardápio um substituto para meu prato do coração. Até agora todos foram bons, mas nenhum chega aos pés daquele risoto de queijo brie. Mas o Murano decidiu manter a minha sobremesa favorita, então mesmo sempre perdendo meu tempo vasculhando o cardápio (vai que o Peru volta disfarçado), me conforta saber que ele estará lá. Meu Petit Gateau de Doce de Leite.

Ok, meu aniversário de 23 anos chegou, e como estava sozinha com o Marcelo, decidimos sair para jantar. E lógico que o Murano foi minha escolha. Fomos nós dois e o Renne, um amigo que sempre compartilha das nossas aventuras gastronômicas, porque a ideia de comer um Petit Gateau de doce de leite no dia do meu aniversário me confortava. Era tipo começar o meu ano com o pé direito.



Acabei pedindo um peixe grelhado com risoto de pêra com gorgonzola (sim, amo risoto). Aliás, numa cama de risoto de pêra com gorgonzola. Quis me deitar naquela cama, porque, nossa, que risoto delicioso. Quanto ao peixe, não achei ruim, mas também não fez minhas papilas gustativas dispararem de alegria. E embora muito bom, não era o meu Peru. (campanha #MuranoCadêOPeitodePeru?)

Na sobremesa, o Petit Gateau de Doce de Leite fez o seu papel, e eu suspirei em cada pedaço. Murano, não tire o petit gateau de doce de leite de mim também, por favor.

O Murano Grill fica na Dom Luis, 1200, dentro do shopping Pátio Dom Luís.

2. Praia

Fomos para a Praia do Futuro dois dias, optando pela barraca Vila Galé pela quantidade de pessoas (que nunca é exagerada), e porque ainda tem cadeiras de madeira na beira da praia. Levamos Dindi e ela ficou num misto de pânico e alegria extrema, cavando, degustando areia, e querendo perseguir todas as crianças que estavam por lá.



Na verdade, não tenho muito o que falar da praia, além do que me aconteceu quando eu estava lá. Eu consegui a proeza de ser picada por uma abelha, na minha axila direita. Sim. Milhares de pessoas na praia, uma extensão de quilômetros de faixa de areia, e uma abelha vem e bate em mim, deixando de presente um ferrão enterrado debaixo do meu braço. Muito sangue frio para retirar o maldito ferrão e ir para casa sem chorar, porque alérgica como sou, em segundos a picada inchou e ficou uma mancha vermelha gigantesca.

Enfim. Prosseguindo.

----------
Ok, então o post estava tão grande que eu achei melhor dividir em dois. Em breve, Fortaleza - parte II (que talvez nem tenha esse título).
  1. Ah, não creio. Li tudo isso à procura do que você ia falar sobre "Les Miserables" e, do nada, você decide deixar pro próximo post? AFFFF. Sacanagem! HAHAHAAH Enfim, fiquei morrendo de vontade de comer esse sorvete recheado, já sei onde será nosso encontro quando eu for a Fortaleza! A Dindi é muito fofa, mas confesso que acho esquisito cachorros na praia. Acho que se eu fosse um cachorro ia ter TANTO medo da praia que nem ia querer chegar perto.
    Como sempre, amei os seus desenhos e adoro quando você resolve dar dicas por aqui!
    Abraços <3

    ResponderExcluir
  2. Feliz aniversário super atrasado o//

    Vontade de conhecer a San Paolo agora, já tinha visto, mas achava que era "só um rostinho bonito" rsrsr

    obrigada pelas dicas (:

    ResponderExcluir
  3. hahahahah
    quero saber o restooooooo!
    Fortaleza tem cara de ser muito legal!! Com muita coisa pra fazer!
    E essa sorveteria? morri!! Aqui em Bragança tem uma sorveteria filial com um mcflurry de kitkat, um dia ainda vou lá!!!!
    Um beijo e aguardo o restante da história!!

    ResponderExcluir
  4. Adoro seus posts estilo diarinho, impressionante como nunca são chatos ou monótonos.
    Lembro de uma sorveteria bem especial que fui quando estive em Fortaleza, mas agora não lembro nem do nome, nem do lugar. Certamente não é essa, já que é nova, mas era bem especial. Ai, saudades Fortaleza :~

    Dindi na praia: CRYING! Estive em Arraial D'ajuda nessas férias e fiquei abismada com a quantidade de cachorros na praia, quase desmaiei de fofura e vontade de ir lá rolar na areia com eles. Fiquei imaginando como Chicolitos se comportaria, é provável que ficaria todo jacu com medo das ondas hahaha

    Como li o post na hora que você postou, já vou adiantar: queria muito ter sentido essa coisa toda pelos Miseráveis, principalmente porque sou fã de musicais e nossa, dói muito não ter gostado de um justamente por causa da parte musical. Não rolou química entre a gente, foi isso.

    E fiquei muito feliz que você viu a Helena e o Sacha Baron Cohen e também lembrou de Sweeney Todd, porque fiquei com essa impressão o tempo inteiro e tava com amigos que não tinham visto o filme (como isso é possível?) e não tinha ninguém pra gritar comigo!

    beijos

    ResponderExcluir
  5. Meu Deus. Que fome.

    Comi muita coisa gostosa no Carnaval também. E fui pra praia, mas em Floripa. Acho que Carnaval serve pra isso: relaxar e comer.

    ResponderExcluir
  6. Oi
    Vamos postar o link do seu post na página da San Paolo. Adoramos!

    ResponderExcluir
  7. Quero demás conhecer Fortaleza.
    Fiquei com muita vontade comer sorvete e risoto [não nessa ordem]! Tem uma sorveteria aqui que também é pura gordice e amor.

    Dindi na praia é a coisa mais fofa do mundo. Que vontade de apertar!

    E COMO ASSIM picada de abelha na axila! Deve ter doído muito, meu deus! Nunca fui picada devido meu extremo pânico de abelhas que faz com que eu fique a quilometros delas.

    No Carnaval eu estava em Pernambuco. Passei 10 dias em Porto de Galinhas que é um lugar incrível. Em breve vou falar dele no blog! :)
    Beijo. <3

    ResponderExcluir
  8. Meu comentario em topicos, porque a internet é ruim e acabou com meu texto quilométrico em segundos ):

    - Couth seu post me deixou com fome!
    - amo suas ilustrações porque são as coisas mais lindas ever ♥
    - DINDI ♥
    - e guria, vai tomar um banhin de sal grosso vai!

    Sem mais, beijos (:

    ResponderExcluir


25 anos. Mora no Rio de Janeiro, é carioca de alma, mas cearense de coração. É designer e está tentando se encontrar nesse mundo. Sou casada com meu melhor amigo, o Marcelo Bernardo, e mãe da Dindi the Boston.

Gosto de ler, de dormir de rede, de inspirações repentinas e de petit gateau. Mas o mundo seria muito melhor sem aliche gente que fura fila. Ah, e de vez em quando eu desenho.

Autora


Welcome

Tecnologia do Blogger.

Procura algo?

Arquivo do blog






Esse blog está vestido com as roupas e as armas de Jorge, porque ninguém há de copiar esses textos e ilustrações sem dar o devido crédito.