Filme: Say Anything

Foi em alguma dessas listas que a gente acaba encontrando pela internet que eu vi (no meio de outros filmes lindos adolescentes do fim da década de 1980 que eu amo) a indicação para esse filme, o primeiro do diretor Cameron Crowe. E como é que eu nunca tinha visto? Só de bater o olho na foto, soube que já tinha visto aquela cena centenas de vezes.

Esse é o Lloyd Dobler, e você vai se apaixonar por ele

Eu sempre gostei de filmes de romance adolescente, sempre. Tanto que meu filme favorito enquanto criança era Pateta o Filme, que focava no romance do Max com a Roxanne (ai, como eu amava esse filme) e  Sonho de Verão, que tinha as paquitas + paquitos + férias. Fui crescendo e continuei nutrindo esse amor por esse tipo de filme meio idiota, mas que no fundo a gente ama, especialmente aqueles mais cocôs que envolvem meninas sem ser populares ficando populares, caras populares que se apaixonam e se tornam legais, caras nerds que são legais e não ficam com ninguém, disputa e triângulos amorosos entre melhores amigos, essas coisas. Óbvio que tem muito filme lixo nesse meio, mas posso afirmar genuinamente que AMO 10 Coisas que eu Odeio em Você, amo com toda a minha vida.

Não sei se sou eu, endurecida pelas horas de trabalho semanais, contas pra pagar e reflexão no trânsito, mas de uns tempos pra cá a coisa desandou. Temos aqueles filmes terríveis de high school com atrizes velhas se fazendo de novas, todos os atores trabalhados na barriga tanquinho, uma mistura chata de câncer ou algo do gênero, e a Amanda Bynes fazendo caras e bocas que um dia era simpática e agora é um monstro. São todos filmes meio com cara de seriado da Disney, com gente pronunciando tudo de forma exagerada e arqueando as sobrancelhas.

Mas é aí que Say Anything é diferente. Primeiro porque a Diane é linda, é legal, mas não é exatamente popular. É o tipo de aluna modelo que aparentemente tem a vida perfeita, faz trabalho voluntário cuidando de velhinhos, ganhou uma bolsa de estudos para uma das melhores universidades da Inglaterra, e mesmo assim é cheia de inseguranças e sente que ninguém a conhece. E aí tem o Lloyd, que é um cara legal, que não tem ideia do que fazer da vida. E, de forma muito muito corajosa, ele decide ligar pra ela e chamá-la para sair. E, simples assim, ela vai. 



O relacionamento que eles constroem é a coisa mais linda, mesmo ela com as horas contadas para se mudar, apavorada do futuro brilhante que está reservado para ela. Quantas noites ela passou acordada estudando, quantas férias perdeu para se dedicar a outros cursos paralelos, quanto ela e o pai investiram nesse sonho? Esse pai, que é o seu maior conforto, que a incentiva a todo momento, que é seu melhor amigo... E que, apesar de ser superficialmente um cara muito legal, obviamente reprova o relacionamento com o Sr. José Ninguém Lloyd, que não vai para a faculdade, que não tem apoio dos pais, que está confortavelmente esperando a sua "dare to be great" chance.

E ao contrário dos filmes que parecem sempre se encostar no momento do climax em que algo irá ficar entre os dois - seja um amigo, seja uma aposta que foi desfeita (gente, QUANTOS filmes são na base de aposta, assim pensando em dois segundos já consigo pensar em, sei lá, dez? Vinte?), seja o pai ciumento, seja o câncer ou a guerra -, o que acontece entre a Diane e o Lloyd é só... a vida. As incertezas de um relacionamento que se inicia logo antes da faculdade, com duas pessoas tão diferentes, como a Diane pode escolher entre ficar com esse homem (um homem, que deixou de ser um cara) que ela tem medo de amar, sua vida tão perfeita desmoronando ao seu redor, e o destino incrível que está reservado para ela na Inglaterra?



Diane Court: Nobody thinks it will work, do they?
Lloyd Dobler: No. You just described every great success story.

Te desafio a assistir ao filme e não terminar amando também o Lloyd Dobler (aqui tem 7 motivos de porque ele é o melhor namorado do mundo, caso você ainda esteja em dúvida), e desejando ser amiga da Diane. E também, como foi que eu esperei até os meus vinte e três anos para descobrir quem era aquele cara tão legal, de sobretudo e aparelho de som em cima da cabeça?

  1. awwww eu adoro esse filme!!!!! <333333333333

    ResponderExcluir
  2. Ai, que vontade que me deu de assistir! <3

    ResponderExcluir
  3. amo muito esse filme, foi o primeiro high school que assisti e não fiquei com a sensação de "ah, já assisti isso umas 200 vezes", é muito original e bonitinho ^^

    ResponderExcluir
  4. Amooooo!!! Sem contar que também amo tudo que tem o John Cusack no meio <3
    E que desenho MARAVILHOSO!

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. ainda não vi, mas cameron crowe com john cusack não pode dar errado. =)

    ResponderExcluir
  7. por incrível que pareça, essa coisa de não ter um empecilho 'óbvio' entre os dois (como você disse, um pai ciumento, uma doença, etc), me lembrou "um dia". também é um filme que narra simplesmente a vida de duas pessoas que se amam e mostra como o próprio tempo influencia na relação deles, tal qual a vida é. a gente fica esperando esses clímax de filmes chegarem, junto com seus finais felizes, e esquecemos que não é bem assim que acontece na vida real, já que vivemos um processo cheio de altos e baixos.

    "atrizes velhas se fazendo de novas" hahahaha eu sempre pensei nisso, acredita? a galerinha do high school musical me lembra malhação há alguns anos, quando os alunos do ensino médio tinham 20 anos na vida real. só parei pra raciocinar quando fiz 18 e percebi que eu continuava a mesma menina que um dia fez 13 hahaha...


    www.pe-dri-nha.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Com certeza vou ver esse filme nessa segunda feira chuvosa. Que delícia que deve ser Couth. <3 E John Cusack? Lindo desde sempre para sempre.

    E teu desenho né? Sempre arrasando.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  9. Desde que eu comecei a fazer faculdade (algo como cinema) fico baixando mil filmes cults, mas só tenho vontade de assistir os de adolescente. Acho que eles são os melhores, mesmo. E esse parece ser tão... honesto. Acho que é isso que faltam nos filmes adolescentes de hoje, honestidade. Amo de paixão 10 coisas que eu odeio em você também.

    ResponderExcluir
  10. Ai meu Deus! Li atrasada, mas já estou correndo atrás desse filme pra assistir. Amei a indicação, ainda mais porque esse filme é citado em um dos filmes que mais amo na vida "A mentira". <3<3

    Couth, querida, nós temos gostos cinematográficos muitíssimos parecidos. <3 AI QUE AMOR, GENTE.

    ResponderExcluir
  11. sem saber tu me ajudou a passar de fase no icon pop quiz na parte de tv e filmes ahahaahahahahaha eu tive minha iniciação de filme dos anos 80 com the breakfast club e me apaixonei, vou ver se acho esse pra assistir tb!
    Adorei as ilustrações btw!

    E 10 coisas que eu odeio em voce ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
    bjbj

    ResponderExcluir
  12. Eu tenho muita certeza que eu sou a única pessoa que nunca viu esse filme. Eu sei a história, sei quem são, sei quotes, mas nunca vi e depois desse post eu bato a cabeça na parede porque eu sempre esqueço. É minha meta do final de semana. Mas vou te falar uma coisa, não precisa assistir o filme pra se apaixonar pelo Lloyd.

    Aliás, 10 coisas que eu odeio em você é uma das melhores comédias românticas já feitas, e os filmes adolescentes dos anos 80 são os melhores também. Atualmente existem alguns filmes bons, mas nesse gênero, conto em uma mão. O que é uma pena porque eu sou uma boba por filmes fofinhos (mas profundos) assim.

    Ah, eu não esqueci teu meme! Eu vou fazer! :)

    Pale September

    ResponderExcluir
  13. Eu adoro assistir filme desse tipo, eu sou apaixonada por cinema, mas esses filmes são legais, bons pra relaxar porque são fáceis de entender e simples.. 10 coisas que eu odeio em você é muito, muito, incrível, eu já assisti umas 500 vezes. Eu já to indo assistir esse filme, agora, agora!. E o seu desenho conseguiu me dar mais vontade de assistir!

    ResponderExcluir
  14. Oii Gabi, filmes antigos sao um máximo né ;D
    Vou ver esse quando puder, nas férias \o

    Bjinhos

    ResponderExcluir
  15. Como a Larie disse aí em cima, eu também vi a referência desse filme em "A Mentira", mas não sabia qual o nome do filme. Eu adoro de paixão comédias românticas. Sei que é o tipo de filme que não te acrescenta muito, sei até que elas podem não te fazer muito bem, porque você fica idealizando esses romances bobos de filme e fica esperando eles acontecerem na sua vida, mas são filmes tão, mas tão amor <3
    E nada como uma comédia romântica da década de 80.

    Vou assistir a esse filme IMEDIATAMENTE.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  16. Então esse é o famoso ~filme do rádio~! Toda vez que eu falo de filmes dos anos 80, alguém me diz que o mais legal é aquele que o menino seguro o rádio lá em cima da cabeça pra menina. Nunca lembrava de caçar o nome! haha

    ResponderExcluir
  17. Esse filme é um dos grandes nunca vi sempre amei da minha vida.
    Porque eu nunca vi, mas amo com todo o meu coração por causa daquela cena de Easy A que a personagem da Emma Stone diz que ela queria que a vida dela fosse um filme do John Hughes e que queria o John Cusak segurando um som no alto da cabeça na porta da casa dela.
    E eu queria muito muito muito muito mesmo que minha vida fosse um filme do John Hughes, por causa desses clichês inumeráveis que a gente ama e não resiste e por causa da honestidade delas, mas se não rolasse, o próximo da fila seria um filme do Cameron Crowe. Elizabethtown, que é o filme da minha vida, é dele. Quase Famosos, que é a aventura que eu sempre quis viver, é dele. Singles, que é da minha época favorita no mundo, é dele também. E por isso eu concluo que Say Anything também será, um dia.
    Amei amei amei demais o post <3

    ResponderExcluir
  18. Assisti o filme... Graças a sua indicação ^^ Eu ja tinha visto essa cena dele com o som rs Procurei pelo nome do filme e finalmente encontrei obrigada ^^ Blog está lindo beijos

    ResponderExcluir


25 anos. Mora no Rio de Janeiro, é carioca de alma, mas cearense de coração. É designer e está tentando se encontrar nesse mundo. Sou casada com meu melhor amigo, o Marcelo Bernardo, e mãe da Dindi the Boston.

Gosto de ler, de dormir de rede, de inspirações repentinas e de petit gateau. Mas o mundo seria muito melhor sem aliche gente que fura fila. Ah, e de vez em quando eu desenho.

Autora


Welcome

Tecnologia do Blogger.

Procura algo?

Arquivo do blog






Esse blog está vestido com as roupas e as armas de Jorge, porque ninguém há de copiar esses textos e ilustrações sem dar o devido crédito.