Sororidade & algo mais



Todo mundo já vem falando nisso há algum tempo, e embora eu sim, me reconheça feminista, ainda não tinha encontrado alguma coisa para falar sobre. Quer dizer, tem tanta gente incrível falando sobre por aí, tenho tantas amigas maravilhosas discutindo sobre o assunto, que eu ficava pensando o que diabos eu poderia acrescentar, né? Ainda mais porque tinha uma dificuldade visceral num dos pontos principais do feminismo, que é justamente a sororidade. Aí ontem li um texto incrível sobre outras coisas e inclusive sobre isso, que deu um tapa gigante na minha cara, e eu queria tanto ter lido isso quando ainda era nova e estava me encontrando nesse mundo.

É difícil escrever sobre isso, sem soar um grande mimimi. Mas meu blog, que tanto muda de ~ linha editorial ~, ultimamente vem sendo um relato mais aberto da minha realidade e do que eu penso, então, vamos lá. A sororidade, e eu.

Eu estudava num colégio de classe média alta no bairro nobre de Fortaleza. A maioria das meninas da minha sala era branca, rica, com cabelo liso (ou alisado) e mechas loiras. Elas ficavam com meninos desde sempre, usavam calças justas e nike shox. Eu não. Eventualmente, muito tarde do ponto de vista delas, eu comecei a ficar com meninos. Mas, durante os anos cruciais, não. Tinha um grupo de meninas que saiam, bebiam, tinham piercings e eram descoladas. Também tinha o grupo de meninas que eram perfeitinhas, que esnobavam todo mundo, e que davam em cima dos meninos para no momento final dizer não, e deixavam eles loucos. Obviamente nenhum era louco por mim, e jamais foi. Mas, quando eu era nova, eu via essas meninas como o inimigo, tão diferentes de mim quanto um peixe e um javali. Eu nunca me enturmei com essas meninas, e nunca fiz questão, e aliás vivia enrolada em brigas. Eu era um alvo fácil? Sim, mas tenho certeza que se perguntar pra uma delas hoje, elas diriam que eu também atacava. E às vezes atacava mesmo.

A minha sorte é que eu tinha amigas, que eram exatamente como eu: atrasadas, bobas, e sim, feias. Ouvi um grupo de meninos falando que comigo o esquema era camarão, corta a cabeça (feia) fora, e come só o corpo. Agora, a fulana não. A fulana é linda, ela a gente come inteiro, e namora depois. Eu queria ser a fulana, claro. E como era impossível ser a fulana, eu odiava ela com todas as forças.

Com o tempo, eu comecei a perceber que não ser igual à elas era bom. Que ouvir músicas boas, que ler livros incríveis, que ter amigas que você ama e confia ao seu redor, era ótimo. Que haviam meninos também diferentes por aí que iriam me ver, e em determinado ponto eles me viram. Não, não eram os gatinhos do vôlei, mas eram caras legais. Até isso acontecer, entretanto, eu me vi numa briga no meio da sala, com uma menina que eu odiava (ela era da turma das festas), em que ela gritou pra mim: você é uma retardada, vai beijar na boca. Você ficar lendo revista de bruxinha só prova como você é mongol. Vai viver, menina.

Fiquei anos com isso na minha cabeça, e foi uma vitória pessoal quando vi fotos dessa mesma menina grávida, ainda no ensino médio, numa rave, fumando. Idiota, você tá vendo só? Eu sou diferente, eu estava lendo quando você estava beijando na boca, eu estou na faculdade enquanto você está procurando emprego, eu sou estilista da loja que você vai ser vendedora (horrível, porém, sim). Só que não era assim. Não era. 

Naquele colégio de classe alta, várias meninas tiveram suas fotos íntimas espalhadas via msn. A maioria todo mundo olhava com culpa, porque eram meninas boas e perfeitas. Algumas, todo mundo olhava e dizia: "também, do jeito que dá pra todos os caras desde a sétima série". Eu me sentia mal por ver as fotos das meninas por aí, mas me unia ao coro na hora de dizer que ela devia ter mais cuidado antes de sair transando por aí, quando eu nem tinha ideia de nada disso, porque estava muito ocupada acompanhando a revista das Witch (melhor revista). Então como é que, aos vinte anos, eu ia conseguir me solidarizar com essas meninas que fizeram questão de que eu me sentisse uma bosta a minha adolescência inteira por ser diferente? Eram putas sim, escolha delas, eu não tenho nada a ver com isso. Mas aí as feministas pegaram na minha mão e disseram: não, nós estamos todas juntas nessa, nós temos que aceitar umas as outras, nós temos que nos amar e nos apoiar.

Eu sempre tive amigas. Mesmo na época de transição das amigas do colégio para as amigas da faculdade, em que eu fiquei sozinha, eu ainda tinha algumas meninas em quem eu confiava, e podia me abrir, e falar tudo que eu quisesse sem ser julgada. Mas tem meninas que não tem. Basta você ver aquele vídeo escroto da bebezinha imitando os animais e chegando na cobra e dizendo: oi, amiga.

Eu me achava diferente. E, por ser diferente, só pessoas que contemplassem os meus interesses poderiam me compreender: pessoas mais velhas, caras interessantes, meninas legais. Eu tive a sorte de ter amigas sempre comigo, porque é geralmente nessas horas que essas "meninas legais" encontram caras mais velhos, que fazem questão de ressaltar como elas são diferentes, como não são iguais as meninas da idade dela. Com um único objetivo: te comer. Amiga, esse cara só quer te comer, sinto muito. Eu, enquanto nova e sem experiência nenhuma, me apaixonava pelo primeiro menino que me desse atenção, que conversasse comigo regularmente, que me mandasse mensagem. Esse menino, provavelmente, só queria me comer, ou então só estava fazendo o mínimo, que era ser legal e educado. Ele certamente não estava apaixonado por mim pelo simples fato de eu responder todas as mensagens dele.

Meu noivo é professor, vocês já sabem. Mas ele é um professor muito, muito legal, e muitos alunos amam ele. E mandam mensagens pra ele frequentemente, às vezes de madrugada, cheios de problemas de adolescentes. Algumas meninas falam de problemas de amor, enquanto ele, homem, mais velho, nunca foi uma adolescente, não tem o menor embasamento para ajudar, mas tenta. E eu fico: essas meninas não tem amigas? Por que você iria pedir conselho amoroso para um professor, pelo amor de Deus? "Ah, é porque as amigas não iriam entender."

Como não?

Porque elas estão naquela fase em que são diferentes, em que todas as amigas são cobras, e todas que não são as amigas são prostitutas, ou retardadas. Como você pode esperar que um professor, mais velho, possa te entender melhor que as meninas que convivem com você? MB olha para mim e fala: você não entende. Como eu posso não entender, se eu também fui adolescente, cercada de amigas adolescentes, e cheia de amigas hoje que também foram adolescentes?

Entrar na faculdade é vital para o crescimento, porque você se vê diante de pessoas que você normalmente não iria interagir no colégio, de outros bairros da cidade, com outros interesses. E é aí que você percebe como todo mundo é igual. A menina que transava desde os 13 anos? Também fica meio apaixonada sem nenhum motivo aparente. A menina perfeitinha que na hora H sempre dizia não? Provavelmente morria de medo do que iam falar dela, ela não estava só tentando destruir a sua vida. A menina retardada que lia revista ao invés de beijar na boca? Queria muito estar beijando na boca, mas não tinha oportunidade, vida que segue. Somos todas, de uma forma ou de outra, iguais. Somos mulheres. Podemos nos entender, se tivermos vontade. Podemos nos apoiar.

Enquanto novas, buscamos pessoas em quem nos espelhar, pessoas mais velhas incríveis. Infelizmente, quase nunca temos mulheres incríveis ao nosso redor. Os adolescentes se espelham no professor legal, e as meninas tem como objetivo ficar com o professor legal, ou pelo menos um cara tão legal quanto ele. (spoiler: os professores legais já foram meninos retardados.) Eu, enquanto adolescente, tive a sorte de ter a minha mãe como exemplo. Minha mãe ama trabalhar, é super batalhadora, e nunca deixou de viajar, de ir para festas, e de toda sexta ir no barzinho (sozinha) com os amigos. Eu conheci uma amiga dela que morava em Paris, era bronzeada, independente, e desde esse dia eu também quis morar fora. Eu entendo que, sendo branca, magra (enquanto adolescente), da classe média, e cheia de todas as oportunidades, eu não posso me comparar à meninas que não tiveram. Mas posso estender a mão para tentar compreendê-las, e o melhor, posso pedir para que abram o olho para as meninas que estão ao redor. Vocês não estão sozinhas, vocês não são diferentes, vocês são iguais, e isso não é ruim. Se um cara te olha e te diz que você é diferente das outras, nem ele acredita nisso. Se ele for mais velho, fuja, é cilada. Se você tiver 25 anos e quiser um cara de 45, tudo bem, porque você já vai entender muito mais coisas da vida, e pode ser que dê certo. Se você tiver 15 e quiser um de 35, amiga, acredita em mim, você vai se magoar muito, tenha cuidado. 

Queria muito ter tido exemplos de professoras incríveis enquanto estava crescendo, como uma amiga, a Cristina. Que é mulher num ambiente masculino, é negra, é inteligentíssima, é independente, e inspira alunas a serem o mesmo. Queria ter olhado para as meninas que riam da minha cara com um pouco mais de compaixão, e queria muito que elas também tivessem feito o mesmo comigo, mesmo eu mandando mensagens cheias de ódio (desculpa, eu de fato não tinha nada melhor pra fazer). Acho que nunca serei professora e serei capaz de mudar vidas, mas se meia dúzia de meninas nessa idade ler isso, e olhar para a sua sala com olhos com um pouco mais de reconhecimento, já fico feliz. Confiem umas nas outras. This too shall pass.







PS: É estranho fazer um post pessoal e cheio de opinião desses num blog meio "superficial", mas enfim, essa é a minha opinião, essa foi a minha adolescência (privilegiada, sim). Desculpa qualquer coisa.

PS2: Às pessoas que estudavam comigo no colégio, que me odiavam e que eu tão fervorosamente odiava de volta, peço desculpas! Espero de verdade que vocês estejam bem na vida de vocês, que quem já teve filho, que eles sejam incríveis (sem ironia, hein), e que quando a gente se encontrar na rua num futuro próximo a gente possa sorrir e perguntar como vai, sem ser o fim do mundo.

PS3: Nesse post da minha amiga maravilhosa, tem um guia de links legais para você entender melhor sobre o feminismo, e disseminar a palavra.

  1. Tava agorinha comentando no blog de Anna e digo o mesmo aqui: como é dificil desconstruir-se. Como é difícil parar de julgar. É difícil ir contra a maré, mas a gente sabe nadar bem, então de mergulho em mergulho a gente chega lá (?). Tivemos sorte de passar pela adolescência com grandes amizades, isso torna a coisa toda muito mais fácil. Também tive uma juventude privilegiada e muitas vezes comprei briga com outras meninas só porque éramos diferentes umas das outras. Não tenho vergonha, tenho um alívio dentro de mim por ter mudado meu pensamento, por ter me desconstruído. Espero que o mesmo tenha acontecido com elas. Ainda vejo algumas das minhas amigas agarradas nessa rivalidade besta e tento, todos os dias, fazer com que elas enxerguem que juntas, todas nós, somos muito mais!
    Te amo, amiga. Que texto incrível <3

    ResponderExcluir
  2. Amiga, QUE TEXTO MAIS LINDO! Quero te abraçar agora e não soltar nunca mais. Juro que não sei o que comentar porque tô aqui estagnada batendo palmas. Eu penei TANTO na minha vida no ensino médio até fazer amigas de verdade, e cara, vou lá pregar no meu mural aquele parágrafo que cê diz que todas somos iguais. As que liam wich e as que eram 'putas', e que o quanto antes a gente aprender a estender as mãos ao invés de apontar o dedo, melhor vamos nos sair.
    Te amo! <3

    ResponderExcluir
  3. Amiga <3 Estou completamente apaixonada por esse post, de verdade. Fiquei até meio emocionada, não sei direito o motivo, hahaha! É tão estranho e maravilhoso olhar para os nossos eus adolescentes e perceber o quanto mudamos, não é? Eu era amiga das meninas ~~~populares~~~ da minha sala, mas isso não me impedia de falar horrores de outras de quem a gente não gostava. Queria ter lido esse texto quando era mais novinha <3 Vou mandar pra minha irmã agora! Te amo muito!

    ResponderExcluir
  4. Amiga, logo quando li seu texto estava conversando com Banana e comentei com ela que eu queria dar um chute na sua boca, porque você é tão maravilhosa, escreve tão maravilhosamente bem, e não posta nunca!

    Passado o surto de violência (hehe), até porque não combina com a vibe desse post, deixa eu te dizer que esse texto é TÃO NECESSÁRIO! Sei demais o que é odiar gratuitamente algumas meninas só porque elas são diferentes de mim sendo que eu queria ser como elas, de alguma forma, já que elas escancaravam algo que me incomodava em mim mesma. Foi muita desconstrução necessária pra eu perceber que o problema não era com elas, era comigo. E aí vai toda a jornada até aceitar que cada uma tem seu tempo, seu ritmo, e as coisas que precisa viver. Queria ter a chance de me desculpar com elas. Nunca fiz nada de mal, pelo menos diretamente, mas sinto que foi uma energia desnecessária que gastei julgando e enviando vibes erradas.

    Amiga, orgulho de ter uma amiga assim como você que escreve essas coisas incríveis e honestas. Sei que não foi fácil, mas acho que valeu a pena. Pra quem leu, vale demais, <3
    te amo!
    (ESCREVA SEMPRE SENÃO VOU AÍ TE CHUTAR)

    ResponderExcluir
  5. Primeiramente, eu concordo, a melhor revista sempre vai ser adas Witch, haha.
    Conheci seu blog agora, totalmente por acaso, ou nem tanto, e adorei conhece-lo. Tudo o que tu escreveu aqui, é um pouco do que eu já passei quanto era um pouco mais nova, porque bem, nova eu ainda sou. Na parte em que você diz, dos homens mais velhos dizerem que você é diferente das garotas de tal idade, eu até tomei um susto, porque sim, eu já ouvi muito isso. Eu também era (e sou, opa), a garota que sempre ficava lendo livros grossos ou revistinhas das Witch, que preferia madrugar vendo séries do que sair para festas, e nunca fui (e opa, ainda não sou), aquela que ficava com vários garotos desde cedo. Muitas vezes eu perguntava se isso era bom ou ruim, mas nos fins das contas, não mudaria nada. Minha vida só é maravilhosa pelas pessoas que teno em meu redor, porque eu conheci elas sendo como sou, e faço questão de ter minhas próprias peculiaridades. Porém, isso não me faz diferente, nem pior ou melhor, do que qualquer garota que haja diferente. Desde que compreendi melhor o feminismo, compreendi também, que aquela garota que perder a virgindade com seus 12 anos, pode ter feito isso simplesmente porque amava alguém sem saber ao certo o que era isso, que aquela garota que bebe demais para a idade, nunca ouviu um não em casa, ou talvez, ela simplesmente não tenha razão, e em momento algum, ela se sente infeliz ou que precisa dar algum motivo para agir como age, apenas é o que é.

    Temos nosso tempo, temos nossa vida, e nossas mil maneiras de vive-las, e demoramos um pouco a entender que lá no fundinho, somos muito parecidas. Amei de verdade teu texto, amei tudo aqui, e estarei te acompanhando. Parabéns! <3
    Desfocando Ideias

    ResponderExcluir
  6. Eu fico tão feliz quando vejo como a gente evoluiu nesses últimos anos, e principalmente, atualmente. Queria sim ter vivido nessa época onde a internet te faz pensar isso, sabe? Em amar a próxima, a entender e respeitar.

    Que texto bonito que você escreveu e eu pude me identificar com tanta coisa. Obrigada mesmo por ter escrito. É muito bom ler relatos assim desde que o assunto ~feminismo~ começou a ser falado com frequência no nosso dia a dia e na internet.

    http://www.paleseptember.com

    ResponderExcluir
  7. Amiga, eu não sou ninguém pra falar isso, mas post sempre! Como é bom ler esses posts mais pessoais e opinativos aqui.
    E sabe, eu tinha uma relação parecida com meninas na adolescência. Eu tinha amigas, mas tinha sido vítima de outras meninas tantas vezes que acabava enxergando-as como inimigas. Eu e minhas amigas éramos diferentes, claro.
    Por isso que o feminismo liberta. Porque ele me permitiu entender o quanto me colocaram contra essas meninas e elas contra mim, sendo que podíamos ser muito mais fortes juntas.

    Esse post tá muito inspirador e o mundo inteiro devia ler <3

    Te amo, melhor noiva <3

    ResponderExcluir
  8. Eu acho que é super natural, quando adolescentes, termos esse tipo de julgamento sobre àquelas que não fazem parte do nosso grupo de amigas. No meu caso específico, confesso que sempre odiei as garotas que eram "saidinhas" porque eu morria de inveja delas! Eu queria ser descolada, popular, aquela que todo mundo quer ter no grupo, mas não passava de uma CDF (desculpa, mas no meu tempo esse negócio de nerd não existia, era CDF mesmo), que sentava na frente, era considerada puxa saco dos professores e saía do colégio direto pra casa (deusmelivre de arranjar um namoradinho no colégio, minha mãe vai me matar!!!).
    Na verdade acho esse comportamento até normal nessa idade. Mas o importante mesmo é perceber que, com o tempo, a gente evoluiu, e hoje em dia já não julgamos mais como no passado.

    Adorei o texto!
    Beijos

    ResponderExcluir


25 anos. Mora no Rio de Janeiro, é carioca de alma, mas cearense de coração. É designer e está tentando se encontrar nesse mundo. Sou casada com meu melhor amigo, o Marcelo Bernardo, e mãe da Dindi the Boston.

Gosto de ler, de dormir de rede, de inspirações repentinas e de petit gateau. Mas o mundo seria muito melhor sem aliche gente que fura fila. Ah, e de vez em quando eu desenho.

Autora


Welcome

Tecnologia do Blogger.

Procura algo?






Esse blog está vestido com as roupas e as armas de Jorge, porque ninguém há de copiar esses textos e ilustrações sem dar o devido crédito.